PT

‘De Vasco’ vive da caridade de uma igreja

A vida deu-lhe um K.O.



Aos 64 anos, fora dos ringues, Pedro Florentino, mais conhecido por ‘De Vasco’, considera que não é reconhecido pelo que fez. Hoje reside numa igreja em Cacuaco, em Luanda. Acusa a antiga mulher pela sua desgraça. Devastado pelas condições de vida, procura ajuda.

O homem que derrotava psicologicamente os adversários antes dos combates está de volta, não para competir, “mas para ajudar e tirar do marasmo em que se encontra a modalidade”. Com mais de 40 anos de carreira com muito sucesso e também com algum azar, Pedro Filomeno de Vasco, mais conhecido por ‘De Vasco’, é um homem devastado e frustrado por não conseguir usufruir do êxito que granjeou na modalidade.
Hoje, sem casa e a viver da caridade numa igreja no Cacuaco, ‘De Vasco’ acusa a antiga companheira de ter retirado todo dinheiro que estava na sua conta num dos bancos em França, após falsificar documentos.
Nessa altura, foi obrigado a trocar de nome e a adquirir a nacionalidade holandesa, passando a viver neste país europeu.
Devido às suas condições sociais, o antigo pugilista apela à ajuda da sociedade. Em 2014, escreveu uma carta ao Ministério da Juventude e Desportos, solicitando um apoio que lhe permitisse adquirir uma casa ou terreno, mas nunca obteve qualquer resposta. Quando regressou a Angola, em 1990, vindo do antigo Zaire (RDC), sentiu-se ter sido recebido com “alguma desconfiança” como se fosse langa-langa, nome atribuído aos congoleses residentes em Angola.
Quem o vê pelas ruas do Cacuaco não consegue acreditar que foi um dos melhores pugilistas angolanos a competir na diáspora e até responsável pela introdução do boxe profissional no país. Hoje, com 65 anos, e devido ao estado físico debilitado, De Vasco admite estar “arruinado, frustrado e abandonado”. Recebe, de vez em quando, cinco mil kwanzas pelas mãos do presidente da Federação Angolana de Boxe (FABOXE), Carlos Luís.

INICIO DA CARREIRA

Em 1972, ainda com apenas com 20 anos, começou a jogar na igreja do Cristo Rei em Kinshasa, República Democrática do Congo. Três anos depois iniciada em Mbanza Congo, no Zaire. Com o ressurgimento da guerra civil fogiu para a RDC e posteriormente para França em 1980. Perdeu a conta ao número de combates ganhos e perdidos, mas lembra-se que a luta mais difícil foi com o angolano Pedro Gomes, apesar de o ter derrotado por KO em cinco segundos. No estrangeiro, foi com Zidoune de nacionalidade francesa teve mais de dois mil espectadores. Além de França fez combates na Alemanha, Jugoslávia, Turquia e Itália.

ACADEMIA DE BOXE

Nem as dificuldades travam os projectos do antigo pugilistas. A equipa De Vasco, criada em 1999, desapareceu, por falta de apoios financeiros e materiais. Agora pretende erguer, no Cacuaco, uma academia que possa ensinar o ABC do boxe aos escalões de formação. Julga que a modalidade está em crise organizativa e deseja reavivar o boxe profissional com a demonstração de combates de exibição com antigos praticantes de forma a convidar e a incentivar as pessoas gostar o boxe. De acordo com antigo atleta, a modalidade está em baixo e corre o risco de desaparecer. Por isso, aconselha a Federação Angolana de Boxe trabalhar unida com todos os intervenientes para levantar a modalidade.

Perfil
Nome: Pedro Filomeno de Vasco
Data de Nascimento: 6 de Novembro de 1951
Altura: 1, 68 cm
Peso: 72
Naturalidade: Mbanza Congo, Zaire
Comida: Feijão com kizaca
Combate mais rápido: Gomes Ngombe derrotado em 45 segundos por KO
Clube: Petro de Luanda e Juventus

» LEIA TAMBÉM

» Deixe o Seu Comentário