PT

Artista defendia uma “governação mais rígida”

Morre Wyza Kendy aos 41 anos

Por Lúcia de Almeida

O músico angolano João Slides Bunga, mais conhecido por Wyza Kendy, de 41 anos, morreu na tarde da passada sexta-feira (5 de Maio), em Luanda, vítima de hipertensão arterial, de que padecia há algum tempo, logo após a morte do seu pai. O cantor estava internado no hospital Josina Machael, em Luanda, desde a passada terça-feira (2 sde Maio).

Nascido a 27 de Agosto de 1975, no Uíge, Wyza privilegiava os ritmos kilapanga, afro-beat e outras tendências africanas modernas. Distinguia-se por cantar em kikongo, língua nacional associada aos Bakongo, à qual pertencia, e de que tinha “muito orgulho”. A paixão pela música surgiu ainda na infância quando começou a aprender a tocar quissanje, por influências da sua mãe. Wyza subiu ao palco, pela primeira vez, no festival ‘Brilha o Sol’, na Cidadela Desportiva, em Luanda, em 2000. Desde essa altura que viria assumir como missão engrandecer a sua cultura de origem.
Com a música ‘Mpasi’ (sofrimento) conquistou espaço e tornou-o conhecido.Wiza trabalhou e dividiu palco com muitos cantores destacados, tais como Dodó Miranda, Beth Tavira, Euclides da Lomba, Paulo Flores, Dalú Roger, Xico Santos, Mário Furtado, Moreira Filho, Wando Moreira, Kizua Gourgel, Totó, João Alexandre, entre outros.
Numa entrevista concedida ao NG, no ano passado, o músico partilhou a sua percepção crítica sobre a juventude, considerando-a “um péssimo exemplo” e sugeriu uma “governação mais rígida”.
O músico e compositor três discos gravados: ‘Kisona’, lançado em 2002, ‘África Yaya’, 2004, e ‘Bakongo’, em 2007. O artista, que defendia que “quem canta por amor muda o mundo, independente do estilo”, tinha em preparação o seu quarto álbum.

» LEIA TAMBÉM

» Deixe o Seu Comentário